1981 .

A caçula de três mulheres. Nasci dia 06 de abril, "Dia do Experimentador". 

Filha de um engenheiro civil e uma artista plástica que começaram a namorar na Exposição Agropecuária de Cordeiro, cidade do interior do Rio. Família por parte de pai e de mãe também de lá.

Passei toda a infância em Cordeiro, ouvindo meus tios tocando piano, sax, acordeon. Não tive muito tempo de ouvir meu avô, mas sei que o grupo Night and Day fazia sucesso pelos bailes serranos, e nele minha avó também cantava. Cresci em meio às notas musicais, e aos 5 anos pedi insistentemente a minha mãe que queria aprender piano. 

Também passava todas as férias quase em Arraial do Cabo, meu cantinho preferido no mapa do Brasil, no condomínio construído pelo meu pai. Lá tenho algumas das melhores memórias de adolescência...

1999 . Estudei piano clássico até os 18 anos, quando comecei a faculdade de Arquitetura. Lá fiz meus amigos, abri minha cabeça pra novas estéticas, texturas, espaços. Sempre com a música como pano de fundo. Saltei de para-quedas, asa delta, toquei em banda, fiz tatuagens, maquetes, e gostaria de ter feito experimentado muito mais. Me formei em 2003.

2005 . Aos 25 decidir recomeçar, e entrei na faculdade de Administração/Mkt. Trabalhei na agência Jr. da faculdade, Origem, depois fui pra Red Bull e depois pra Coca-Cola. Lá, em 2008, decidi que largaria tudo pra me dedicar ao que eu já vinha fazendo há bastante tempo nas horas "vagas": a umpraum. A umpraum foi minha primeira filha, minha e do Gui, na época, meu namorado. Ali eu me realizava... juntei tudo o que eu sempre mais gostei de fazer: ouvir histórias de vida, e transformá-las em imagem e som. São documentários pessoais, histórias de vida contadas por aqueles que participaram dela. Foram muitas estórias: bodas de prata, casamentos, 1 ano, 50 anos, 60 anos, 70 anos. Mais de 1500 pessoas entrevistadas. Hoje a umpraum ainda acontece.  http://www.umpraum.com/

2012 . Nasce nossa primeira filha. (nascimento Bel: https://www.youtube.com/watch?v=M26HRZcnQp4) Começo a produzir o documentário Com Licença. Mergulhei com tudo nessa coisa de maternidade, li diversos livros, me dediquei à gravidez, tudo como havia planejado. Fiquei 1 ano só com minha filha enquanto o Gui tocava a produtora. 

2014 . Nasce nossa segunda filha. (nascimento Maria: https://www.youtube.com/watch?v=b1_0Z9n5k44) Dei uma pausa em tudo. A vida acelerou e eu cada vez mais diminuía a marcha... Não conseguia voltar ao meu ritmo anterior de trabalho. Os propósitos mudaram, agora eu tinha 2 porquês pra não sair de casa. Mas também não queria ficar ali o tempo todo, sempre soube que preciso e quero ensinar a independência às minhas filhas. Amo o que eu faço. Estava estagnada, sem saber pra onde ir. Precisava criar, dentro e fora.

2015 . Mudamos. Mudamos tudo. Inclusive de Casa. Hoje entendo a importância da memória, e decidi fazer fora o que já faço dentro desde que me entendo por gente: construir memórias. Me dedido aos pequenos rituais, que são cheios de significados e estórias, mas pouco registrados.